Envie suas sugestões de assuntos para artigos, dúvidas e opiniões diretamente para meu e-mail

domingo, 6 de setembro de 2015

Sequelas Psicológicas do Trabalho Infantil

Resultado de imagem para imagens de trabalho infantil em desenhoO trabalho infantil é defeso por lei. Em nossa Constituição existem artigos que versam explicitamente sobre a proibição deste tipo de prática. Para quem tiver interesse de ampliar o conhecimento sobre o tema, recomendo a leitura do artigo 7º, inciso XXXIII da Carta Magna. No texto constitucional também é possível observar claramente no artigo 6º, a menção aos direitos sociais, dentre eles, o de proteger a infância. Podemos indicar ainda o Decreto 6.481 que trata da proibição das piores formas de trabalho infantil e a ação imediata para que este seja banido.

Submeter crianças a trabalho é algo que traz prejuízos não somente físicos, mas também psicológicos. Este é o foco do nosso artigo: a repercussão, na esfera psicológica, da exposição de uma criança ao trabalho.

Para que o desenvolvimento de uma criança ocorra de forma plena, é necessário que ela vivencie todas as etapas que o constituem. Vivenciar o lúdico, por exemplo, no contato com outras crianças da mesma faixa etária é algo fundamental para sua socialização. Na interação com iguais, ela aprenderá regras de como viver em sociedade, experimentará trabalhar em equipe, desenvolverá capacidade para lidar com diferentes tipos de personalidade, aprimorará sua capacidade de coordenação motora, enfim, poderá adquirir habilidades fundamentais para a vida adulta.

Quando retiramos um ser pequenino do seu lar para desempenhar um labor, estamos privando-o de viver experiências cruciais para um desenvolvimento saudável. O convívio com a família fica comprometido. A relação com os pais fica distanciada e a criança perde a oportunidade de receber carinho, atenção e ensinamentos importantes para sua vida. Ademais, tarefas atribuídas a este ser em desenvolvimento podem ter um grau de complexidade incompatível com a capacidade disponível naquele momento, podendo gerar na criança a sensação de que é incapaz, que não possui Inteligência, etc.

Com o passar do tempo, a criança pode ter um comprometimento da sua autoestima, pois, à medida que ela executa atividades e não obtém sucesso, estas vivências estão sendo registradas de um modo negativo, levando-a a acreditar que não ela não tem potencial para nada. Instala-se um complexo de inferioridade que a impedirá de sentir-se competitiva para enfrentar desafios no futuro.

Todos nós aprendemos, ao longo da vida, a ter responsabilidades. Vale ressaltar, no entanto, que tais responsabilidades vão sendo adquiridas de modo gradativo e de acordo com a bagagem que vai sendo acumulada. Certas responsabilidades são típicas da vida adulta porque só um adulto terá condições físicas e mentais de cumpri-las a contento. Se isto não fizesse sentido, não teríamos, nas instituições educacionais, uma divisão das séries escolares por faixa de idade. O conteúdo programático visto no ensino médio seria aplicado sem problemas no ensino fundamental. E isto ocorre porque o desenvolvimento do cérebro humano passa por estágios. Certas operações mentais, por exemplo, só conseguimos processar depois de uma determinada idade. Então, como exigir de uma criança algo que o cérebro dela terá capacidade de processar apenas mais adiante?

Portanto, além de descumprir a lei, quem sujeita uma criança ao trabalho está sendo desumano, visto que não está respeitando condições inerentes ao desenvolvimento da própria espécie. Está ainda sendo irresponsável, pois expõe um ser inocente a situações que podem representar perigo à própria vida: ao realizar atividades domésticas por exemplo a criança pode ingerir produtos químicos acidentalmente ou mesmo sofrer risco de queimaduras, caso manipule eletrodomésticos que produzam fogo.

A exploração do trabalho infantil não se limita à realização de tarefas domésticas. Ela é muito mais ultrajante e absurdo, já que se registra o uso de crianças até mesmo na prostituição, na agropecuária e em outros ambientes insalubres e perigosos. Dependendo do tipo de atividade exercida, ela pode desenvolver câncer de pele e deformações ósseas.

Da criança que trabalha é extraída a possibilidade de adquirir conhecimento, já que geralmente, não lhe resta tempo para frequentar a escola. E mesmo quando conseguem ir à escola, o rendimento fica prejudicado. A fadiga não permite que ela se concentre o suficiente para assimilar o que é transmitido e logo vem o baixo rendimento seguido da evasão escolar.

A criança submetida ao trabalho infantil pode manifestar sentimento de revolta, já que não tem suas necessidades básicas atendidas. Ela pode interpretar que não merece atenção, carinho e amor. Esta sensação pode se intensificar ao ponto dela começar a apresentar problemas de comportamento: ser violenta, vingativa, agressiva como uma maneira de expressar sua indignação com a situação ou mesmo chamar atenção para sua dor.

Cuidemos então de nossas crianças proporcionando-as tudo que é essencial. Desta maneira, no futuro, nossos olhos não irão se deparar com cenas lastimáveis como as que temos visto.

Até nosso próximo artigo!
Thatianny Bezerra Moreira da Silva




Nenhum comentário:

Postar um comentário